Foi nesta última quarta-feira (9 de setembro) que mais um agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) foi vítima de agressão no cumprimento do dever na cidade dos Arcebispos, Braga. O agente da PSP que foi agredido pertence ao comando distrital da PSP de Braga. A alegada agressora é uma mulher com aproximadamente 45 anos de idade.

Tudo terá começado com uma ameaça na via pública da alegada agressora a outra mulher com uma tesoura. A PSP de Braga, entretanto, foi alertada para o que estava a ocorrer e prontamente enviou uma patrulha para o local, tal como o jornal “Minho” avançou numa das suas últimas edições informativas online.

E foi durante essa mesma intervenção policial que um agente da PSP acabou agredido, depois de a suspeita ter tentado apertar o pescoço a um dos polícias intervenientes, de forma agressiva, tal como informou o mesmo jornal “Minho”.

Suspeita detida e notificada para ir a tribunal

A alegada agressora foi posteriormente detida e notificada para o comparecimento no Tribunal Judicial da Comarca de Braga, para ser presente a um juiz, ter o seu primeiro interrogatório judicial e para tomar conhecimento das medidas de coacção a si aplicadas.

As medidas de coação para os arguidos podem ser várias, sendo a mais leve o termo de identidade e residência, o famoso "TIR" e a mais gravosa a prisão preventiva, nomeadamente se existir o perigo de fuga, a continuação da actividade criminosa, entre outros.

As agressões a agentes da PSP continuam sem fim à vista

E os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), continuam a ser sistematicamente agredidos e ameaçados durante o cumprimento do dever.

E enquanto os agressores dos polícias continuarem a ter este sentimento de impunidade, não se sentirão ameaçados e não irão parar.

E a cada dia que passa as agressões tornam-se mais frequentes e muito mais violentas.

Somente quando os tribunais forem inflexíveis nas condenações e os punirem de acordo com a gravidade dos seus actos, é que talvez eles parem para pensar um pouco mais antes de agredirem o próximo agente.

De realçar que muitos dos agressores dos polícias, nos seus cadastros, já tem registos de outras agressões a polícias.

Se tivessem sido condenados numa primeira vez, certamente não voltariam a agredir mais polícias e nao seriam recorrentes.

Quando um qualquer cidadão é agredido, é grave, mas quando um representante da lei e da ordem é agredido no cumprimento do dever, torna-se muito mais grave!

Quando os policias ficam ameaçados e em risco todos nós ficamos também!

Não perca a nossa página no Facebook!