De acordo com informações avançadas no relatório anual que descreve "a situação do país em matéria de drogas e toxicodependência 2014", do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), em 2013 foram registadas 184 mortes associadas ao consumo de drogas.

Publicidade
Publicidade

Deste número, 12% morreu por overdose, (uma diminuição de 24% relativamente a 2012) com presença, essencialmente, de opiáceos (46%), cocaína (36%) e metadona (27%). Em mais de 90% das overdoses registadas, verificou-se a presença de mais do que uma substância, com especial destaque para uma combinação entre drogas ilícitas e álcool e benzodiazepinas (um conjunto de fármacos ansiolíticos, usados como sedativos, hipnóticos e relaxantes musculares).

Em 2014 surgiram mais de 100 novas substâncias
Em 2014 surgiram mais de 100 novas substâncias

Em paralelo, registou-se ainda um preocupante aumento da presença de drogas sintéticas, uma tendência que tem vindo a emergir nos últimos tempos.

Relativamente à taxa de mortalidade associada ao VIH/Sida, segundo o Instituto Nacional de Saúde, foram registadas 101 mortes ligadas a situações de toxicodependência, sendo que 69 destes casos tinham já sido diagnosticados com a doença.

Aparecimento de novas drogas

De acordo com o mesmo relatório, se em 2013 surgiram no Sistema de Alerta Rápido da União Europeia, pela primeira vez, 81 novas drogas, em 2014 foram notificadas mais de cem, fazendo com que o número de novas substâncias que devem ser vigiadas pela EMCDDA (Agência Europeia de Informação sobre Droga) suba para 500, aproximadamente.

Publicidade

De acordo com Maria Moreira, do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, das novas substâncias que surgiram, quatro estão a ser avaliadas e podem ser consideradas muito perigosas.

De acordo com o mesmo documento, que também reflecte o mercado de oferta de drogas em 2013, o haxixe está no topo das substâncias com maior número de apreensões, seguindo-se a cocaína e depois a heroína, duas substâncias cujas apreensões têm vindo a diminuir nos últimos anos, tendo-se registado os valores mais baixos desde 2002 e 2005.

Nesta lista constam ainda as apreensões de cannabis herbácea e de ecstasy.

Fazendo um quadro geral, a cannabis tem predominado de uma forma crescente, sendo a cocaína a segunda droga com maior visibilidade. Recorde-se que, de acordo com o Flash Eurobarometer de 2014, a cannabis é vista como a droga mais acessível entre os jovens europeus com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos. Pelo contrário, tal como tem acontecido em anos precedentes, em 2013 a heroína perdeu "protagonismo", apesar de estar mais barata, o que reforça a quebra já registada em 2011.

Publicidade

Leia tudo