Rebentou nova polémica nas provas de avaliação aos professores portugueses. Esta quinta-feira, dia 26, realizou-se a prova de Português nível 1 onde participaram cerca de 500 docentes. Porém, a prova continha um erro no enunciado que foi gerido de forma diferente de escola para escola.

Começando pelo princípio, a prova era composta por 22 questões, 20 de escolha múltipla e 2 de desenvolvimento. O erro encontrava-se numa das duas perguntas de desenvolvimento onde era solicitado que os examinados escolhessem "um dos textos narrativos literários contemplados no Programa do Ensino Básico ou nas Metas Curriculares de Português" e explicassem porque consideravam o texto "uma boa opção para analisar os elementos constitutivos da narrativa com alunos do 2.º Ciclo".

A questão é que a prova estava a ser realizada por docentes com formação na área da Educação pré-escolar e 1.º Ciclo e que, por razões académicas, não possuem formação no programa do 2.º ciclo do ensino básico.

Em algumas escolas, os candidatos foram informados do problema quase no fim da prova e foi-lhes concedida mais meia hora, pelo que a prova teve 120 e não 90 minutos como era inicialmente previsto. Contudo, no Liceu Camilo Castelo Branco, em Vila Real, por exemplo, não houve tempo extra para concluir a prova. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) confirmou ao jornal diário "Correio da Manhã" que o erro existe mas não põe a possibilidade de anular a prova. "Durante a realização da prova de Português N1, foi detetada uma omissão no enunciado do item 1 da parte II. Em articulação com o JNP (Júri Nacional da Prova), foram adotados os procedimentos previstos para este tipo de ocorrência.

Vídeos destacados del día

Esta situação será tida em conta no processo de classificação, de forma a não prejudicar os candidatos", confirmou a entidade responsável pela elaboração das provas.

Os professores, por seu lado, exigem a anulação da prova pois não estará garantida a equidade entre os candidatos na prova. "A prova tem de ser anulada", disse ao mesmo jornal Daniela Balouta, que efectuou a prova no Liceu Camilo Castelo Branco. O que mais indigna a docente é o facto do IAVE ter colocado no seu site um enunciado já corrigido, que não corresponde ao que os docentes receberam nas escolas.