Professor, jurista, comentador e político, Marcelo Rebelo de Sousa foi escolhido por cerca de 12 mil pessoas como o político em quem os portugueses maior confiança depositam. Apesar de não fazer parte do governo, o professor arrecadou 14% dos votos do estudo das Marcas de Confiança da revista Reader's Digest.

Introduzido desde 2003, o "Trusted Brands", conhecido em Portugal como Marcas de Confiança, é um questionário que visa apurar quais as marcas que merecem maior confiança por parte dos consumidores, através de um questionário dirigido aos assinantes da revista. São também distinguidos na categoria de Personalidades aqueles que merecem um voto de confiança.

Assim, na categoria Político regista-se em 2015 uma troca de posições, uma vez que na edição anterior o político do PSD Rui Rio, ex-presidente da autarquia do Porto, classificava-se na primeira posição, agora é ultrapassado por Rebelo de Sousa. De ressalvar que a categoria Política é aquela em que se regista um maior nível de desconfiança, sendo que 96% não confia nesta categoria e 83% diz mesmo não confiar no actual governo português.

Outras personalidades distinguidas são Cristiano Ronaldo com 54% dos votos, ficando a uma distância considerável de Nelson Évora, segundo classificado, com 7%. A categoria Escritor e Jornalista foi entregue, tal como no ano anterior, a José Rodrigues dos Santos. O pivô da RTP 1 conquistou 28% e 31% dos votos, respectivamente. O actor Ruy de Carvalho renova a vitória nesta categoria com um total de 47%, tal como Rui Veloso, que se distingue novamente como o músico mais confiável.

Os melhores vídeos do dia

A nível de marcas o destaque vai para Fula, Well's, Molaflex, Delta, Skip e Luso, no que diz respeito às marcas de óleos alimentares, parafarmácias, colchões, cafés, detergentes de roupa e águas de mesa. A agência de viagens Abreu, o banco BPI, os seguros Fidelidade, a cerveja Sagres e a Toyota são também algumas das marcas de confiança. No que respeita à informação, o canal televisivo da SIC e a Rádio Comercial são de confiança para os portugueses. Quanto aos hipermercados o destaque dos portugueses vai para o Continente.