O relatório Portuguese Emigration Factbook, divulgado esta sexta-feira, dia 20, concluiu que Portugal é o país pertencente à União Europeia com mais emigrantes, ficando apenas atrás de Malta, país com menos de 500 mil habitantes. Existem mais de 2 milhões de portugueses emigrados, número que corresponde a cerca de 20% da população residente em Portugal.

Publicidade
Publicidade

Segundo os especialistas, "a emigração portuguesa é hoje uma emigração europeia". Só em 2013 terão emigrado à volta de 110 mil portugueses, sendo que dos 16 países mais escolhidos, 10 são europeus, destacando-se o Reino Unido (30.121), Suíça (20.039), França (18.000) e Alemanha (11.401), com maior número de entrada de portugueses. Para fora do continente europeu, foram Angola (4651) e Moçambique (3759) os países mais escolhidos.

Apesar de o Reino Unido dominar as preferências dos emigrantes portugueses, este nem aparece no topo da lista de países com mais residentes vindos de Portugal.

Cada vez são mais os portugueses que emigram.
Cada vez são mais os portugueses que emigram.

Essa lista é ainda dominada pela França, com 592.281 residentes portugueses, seguida da Suíça (211.451), Estados Unidos da América (158.002), Canadá (140.310), e Brasil (137.973).

O relatório refere ainda que, apesar da recente vaga de jovens emigrantes para os países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), a população portuguesa emigrada nestes países está cada vez mais envelhecida. Os especialistas do Portuguese Emigration Factbook contam ainda que a percentagem de emigrantes com curso superior nos países da OCDE cresceu mais de 50% entre os anos de 2001 e 2011, demonstrando assim que a emigração deste últimos anos é mais qualificada do que a do passado.

Publicidade

Contudo, apesar destes dados, o relatório afirma que ainda é prematuro falar em "fuga de cérebros", já que a informação que consta dos censos de 2010/11 não possibilita dizer que a "maior qualificação seja superior à qualificação da população portuguesa em geral", porque até àquela data, o crescimento da população emigrada com um diploma do ensino superior fez-se ao mesmo ritmo do crescimento da população portuguesa diplomada"

Este relatório foi elaborado pelo Observatório da Emigração, pertencente ao ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, composto por Rui Pena Pires, Cláudia Pereira, Joana Azevedo, Inês Espírito Santo e Inês Vidigal.

Leia tudo