Advertisement
Advertisement

Um estudo realizado pelo Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge identificou várias lacunas nas refeições escolares do 1.º ciclo do ensino básico. Entre as conclusões, destaque para o facto de 69% dos pratos estudados apresentarem um valor energético abaixo do que é aconselhado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e 90% das refeições conterem doses de sal equivalentes ao que é recomendado que uma criança consuma num dia inteiro.

No total foram analisadas 36 refeições de 36 escolas da zona metropolitana de Lisboa, durante o ano lectivo de 2012/2013.

O estudo "O valor nutricional de refeições escolares" encontra-se disponível no boletim epidemiológico Observações e explica o processo do mesmo.

Advertisement

A cada visita foi recolhida uma refeição idêntica à que era consumida pelas crianças na qual se incluía a sopa, o prato principal e o acompanhamento, o pão e a sobremesa. Posteriormente realizou-se a comparação das refeições com o que é recomendado pela OMS para crianças entre os seis e os dez anos. Conclui-se então que a proteína existente nos pratos, na maioria dos casos, era superior ao aconselhado, enquanto os hidratos de carbono e os teores de gordura se encontravam abaixo. No que se refere aos minerais, mais de metade das refeições ofereciam mais de 50% do que é aconselhado em potássio e zinco.

Perante estes resultados, os investigadores envolvidos alertam para a necessidade de as refeições escolares oferecerem uma vasta diversidade de substâncias, mesmo que algumas delas sejam em pequenas quantidades.

Advertisement
Os melhores vídeos do dia

Neste âmbito, as autarquias, as empresas e os serviços de saúde devem manter uma relação estreita entre si, promovendo programas de vigilância nutricional para que seja garantida a qualidade dos pratos nas cantinas escolares.

Pais podem avaliar o que os filhos comem nas escolas

O estudo surge numa altura em que é lançada uma plataforma online para os pais avaliarem a qualidade das refeições consumidas pelos seus filhos nas escolas públicas. O objectivo é os pais conhecerem o que as crianças comem e se é ou não o estipulado pelas entidades de saúde nacionais e internacionais.