Três dias de férias a menos, 40 horas de trabalho semanal e uma diferença salarial entre a GNR e a PSP são algumas das alterações que propôs a Ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, ao estatuto dos militares da GNR. A proposta foi feita esta segunda-feira, dia 8 de Junho, numa reunião "muito rápida" com os representantes da Guarda Nacional Republicana.

Publicidade
Publicidade

A Associação Nacional de Guardas (ANAG) considera estas propostas inaceitáveis, pois com o novo estatuto o superior hierárquico tem o poder e livre arbítrio de decidir sobre as promoções. A ANAG rejeita também a mudança de 25 para 22 dias de férias por ano. A Ministra propôs ainda uma alteração nas horas de serviço, sendo que em 2019 os militares da GNR poderão passar a trabalhar 40 horas por semana, sendo que o estatuto da PSP que irá entrar em vigor imediatamente refere 36 horas de trabalho semanal para os agentes.

GNR não concorda com novas propostas
GNR não concorda com novas propostas

Outra medida que não deixa as associações felizes é o facto de a ministra aceitar o aumento salarial aos agentes da PSP e não o fazer com os militares da GNR. As associações irão reunir-se no dia 19 para discutir e analisar melhor o novo estatuto proposto. Irão também equacionar uma forma de luta caso seja necessário, pois a ANAG afirma que não aceita este "estatuto que lesa gravemente os militares da Guarda".

A Associação de Profissionais da Guarda avisa que no próximo dia 17 de Junho, irá realizar-se uma vigília em frente à Caixa Geral de Aposentações, que terá início às 08h00, sem hora marcada para terminar.

Publicidade

Por outro lado, encontra-se já marcada uma nova reunião entre os representantes da Guarda Nacional Republicana e Anabela Rodrigues. As Associações irão apresentar contrapropostas do estatuto elaborado por generais do exército dado que esse "estatuto não serve a GNR nem os seus profissionais". Nessa reunião serão então debatidas algumas propostas com as quais as associações não concordam, tal como o aumento de horas de trabalho, a diminuição de número de férias, a diferença salarial entre a PSP e a GNR e a idade e anos de serviço que um militar da GNR tem de ter para se poder aposentar.

Leia tudo