Anúncio
Anúncio

Um major, dois capitães e três sargentos da Força Aérea, detidos no âmbito de um processo relacionado com o abastecimento de géneros alimentícios às messes da Força Aérea irão aguardar o julgamento em prisão preventiva. A decisão do juiz de instrução criminal foi proferida neste sábado, 5 de Novembro. Segundo a investigação, dirigida pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP), o esquema criminoso poderá ter lesado o Estado em, pelo menos, cerca de 10 milhões de euros.

A operação, designada por Zeus, desenvolveu-se na passada quinta-feira (dia 3 de Novembro), culminando cerca de um ano e meio de uma “complexa investigação”. A acção esteve a cargo da Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) tendo contado com a colaboração da Polícia Judiciária Militar.

Anúncio

Segundo um comunicado emitido pela PJ, foram efectuadas 180 buscas, realizadas em simultânea em 12 bases militares, em diversas zonas do país, em 15 empresas e em diversas residências. No terreno estiveram cerca de 300 investigadores da Polícia Judiciária, 30 peritos da Unidade de Perícia Financeira e Contabilística e da Unidade de Tecnologia e Informação da mesma PS, que se fizeram acompanhar por cerca de 40 operacionais da Polícia Judiciária Militar, e ainda 27 magistrados do Ministério Público, entidade que tutela o respectivo inquérito. No mesmo comunicado, a PJ refere, igualmente, que desde o início da referida investigação, contou com a colaboração da Força Aérea Portuguesa.

Em causa estará o fornecimento de diversos géneros alimentícios às messes das diversas bases militares do país, que seria facturado por um valor bastante superior aos produtos efectivamente entregues.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

A diferença entre o montante liquidado pelo Estado Maior da Força Aérea e o realmente correspondente ao efectivo fornecimento, seria posteriormente dividido entre os militares envolvidos no esquema e os respectivos fornecedores. Segundo a Procuradoria-Geral da República, naquela actividade criminosa participavam, para além dos fornecedores, militares funcionários das messes, e um representante do Estado Maior da Força Aérea que tinha como função fiscalizar aqueles refeitórios.