O terror e a #Tragédia marcaram mais uma etapa do tradicional Torneio de Sueca na Associação Cultural, Recreativa e Humanitária de Vila Nova da Rainha, no concelho de Tondela (Viseu). Um #Incêndio supostamente com origem numa salamandra de aquecimento do salão da colectividade provocou oito mortos e dezenas de feridos, alguns dos quais em estado bastante grave. Nas instalações estariam mais de 70 pessoas, distribuídas por dois pisos. Face ao alerta de incêndio, tentaram abandonar o edifício, mas muitos deles não o conseguiram. Alguns sofreram queimaduras no corpo e outros morreram esmagados durante a fuga. O Presidente da República já se deslocou ao local, acompanhado pelo ministro da Administração Interna.

Ainda não eram nove horas da noite deste sábado, 13 de Janeiro, quando o pânico se instalou na pequena aldeia de Vila Nova da Rainha, no concelho beirão de Tondela, distrito de Viseu. A associação local estava repleta de pessoas, não só para assistirem pela televisão ao jogo de futebol Braga/Benfica, mas sobretudo para participarem no tradicional Torneio de Sueca. Um evento que se realiza há vários anos naquela colectividade com cerca de 40 anos de existência e que habitualmente atrai muitos amantes dos jogos de cartas da região. A noite estava fria e, por isso, as instalações estavam a ser aquecidas através de uma salamandra a lenha. Ainda não há explicações oficiais para o que aconteceu, mas são várias as testemunhas que relatam que o sobreaquecimento da chaminé terá incendiado o tecto falso, revestido por material inflamável.

Vídeos destacados del día

O pânico foi geral com os presentes a tentarem abandonar o local. Grande parte das pessoas acabou por ser atingida com a queda da estrutura do tecto em chamas, enquanto outras caíram sendo esmagadas por outros populares. As vítimas terão sido barradas por uma das portas do edifício que só abre para o interior. Com a aflição, as pessoas ficaram ali amontoadas não permitindo a abertura da porta. Alguns populares, que conseguiram sair ilesos da colectividade, tentaram arrancar a porta pelo exterior com o auxílio de um jipe numa tentativa de retirar as pessoas. O socorro chegou de forma rápida, com vários meios de diversas corporações de bombeiros da região de Viseu, assim como do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). Mais de duas centenas de operacionais envolvidos nas operações, com dezenas de ambulâncias e viaturas de combate a incêndios, assim como quatro helicópteros, do INEM e da Força Aérea.

No local, onde estiveram inspectores da Polícia Judiciária, terão sido triadas 46 vítimas, destas oito confirmadas mortais.

Os feridos foram transportados para as unidades do Centro Hospitalar de Tondela-Viseu, enquanto as situações mais graves foram helitransportadas para hospitais de Coimbra, Lisboa e Porto. Entre as vítimas encontra-se uma jovem adolescente, de 15 anos, transferida para o Hospital Dona Estefânia, em Lisboa. Existem quatro situações com prognóstico reservado.

Ainda na noite da tragédia estiveram no local os secretários de Estado Adjunto da Saúde e da Protecção Civil. Já ao início da tarde deste domingo o Presidente da República viajou até Vila Nova da Rainha. Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo ministro da Administração Interna, quis aperceber-se em que circunstâncias terá ocorrido aquela tragédia, tendo deixado uma palavra de força e de coragem a toda a população e, sobretudo, aos familiares das vítimas. Depois, o Chefe de Estado deslocou-se os hospitais de Tondela e de Viseu para se inteirarem do estado de saúde dos feridos hospitalizados.