Anúncio
Anúncio

As maiores ondas de Portugal parecem já não ser suficientes para surfar. Agora os Jovens da cidade do Porto arriscam as suas vidas ao aderirem ao fenómeno internacional que está a chocar o mundo: o "train surfing". Os menores foram vistos a viajar pendurados nos pára-choques dos comboios do metro, como comprova uma imagem avançada pelo Jornal de Notícias.

Esta é uma prática comum em países como o Bangladesh ou a Indonésia, onde as lotações excedem em muito a capacidade dos comboios e os viajantes se acomodam, literalmente, em qualquer parte do veículo, fazendo com que este se movimente a menor velocidade.

O fenómeno do surfe rodoviário teve início com o aparecimento dos carris, mas logo se fizeram alterações às carruagens, de modo a aumentar a segurança dos viajantes.

O retrocesso a que assistimos faz parte de uma onda tida por uns como desporto e por outros como diversão.

Advertisement

O "train surfing" apareceu na África do Sul e cedo se alastrou para o Brasil, Alemanha, Rússia e mais recentemente Portugal. O fotógrafo italiano Marco Casino captou a subcultura de surfistas de comboio de África do Sul. O documentário digital é notícia na CNN por ter sido prémio, no ano 2014, do concurso "World Press Photo Multimedia Contest".

Os encontros acontecem via internet/redes sociais e são filmados/fotografados pelos intervenientes. A adrenalina é o principal motivo mas os riscos são muitos: choque elétrico, queda em movimento ou colisão com infraestruturas para além da possível detenção por partes das forças policiais. Os russos terão mesmo levado a situação ao extremo ao terem feito viagens no exterior do Sapsan, um comboio de alta velocidade que pode chegar aos 250 km por hora.

Advertisement
Os melhores vídeos do dia

A circulação do metro do Porto pode chegar aos 80 km por hora, facto que não parece ser suficiente para intimidar os jovens. Já lhe chamam de "andar à guna" como avança a CMTV o que por si só descreve bem a natureza destes atos. Um guna será, etimologicamente, um "jovem citadino, geralmente associado às camadas sociais mais desfavorecidas, de comportamento ruidoso, por vezes desrespeitoso, ameaçador ou mesmo violento".