Como já vem sendo habitual nos últimos anos, no mês de Agosto realiza-se a Feira dos Moços em Custóias. A edição de 2015 será entre os dias 21 e 26 deste mês e decorrerá no Largo do Souto. Tal como nos anos anteriores, a entrada é livre. Esta feira é uma aposta da Junta de Freguesia para atrair visitantes, não só de Custóias, como de outras freguesias do concelho ou de concelhos vizinhos

A Feira dos Moços traduz-se numa alegre demonstração da cultura popular e tradicional. Esta feira tem como origem uma tradição herdada do século XIX. Diz a história que após a época da escravatura começaram a existir relações de trabalho entre patrões e empregados.

Era habitual os homens sentarem-se à porta dos patrões à espera de trabalho ou esperarem nos largos e praças para que os patrões contratassem a sua força de trabalho. 

As feiras sempre constituíram um meio de abastecimento para as necessidades das populações. Segundo se sabe, em Custóias existiam diversas feiras, sendo que uma era a chamada feira dos moços de lavoura. A feira dos moços era realizada duas vezes por ano: em Abril, para contratar os moços para a época de verão, e em Novembro, para contratar moços de lavoura para o Inverno. Do que se sabe, no século XIX, em 1842, a feira dos moços foi transferida para o Largo do Souto (anteriormente era realizada no Padrão da Légua).

Nesta feira era habitual a presença de moços das regiões do Douro e Minho, que nesse tempo eram locais de pobreza, que procuravam uma vida melhor.

Os melhores vídeos do dia

Vinham de trouxa às costas, alguns com instrumentos musicais, para procurar trabalho na região. Reza também a história da feira dos moços que após chegarem a acordo, patrão e empregado dirigiam-se à taberna mais próxima de modo a selarem o acordo com o pagamento da "cabrita", que consistia em bacalhau frito (ou isca de bacalhau).

Actualmente a Feira dos Moços consiste numa feira de artesanato em que estão presentes associações e artesãos do concelho. Também haverá momentos musicais com a presença de ranchos folclóricos, grupos etnográficos, bem como bandas de música popular portuguesa.