Dados de 2014 apontam que existem na China 667 milhões de mulheres para 700 milhões de homens. Segundo o Diário de Notícias, por 100 raparigas nascem 115,8 rapazes, o que torna a China como o mais desequilibrado dos países no mundo no que respeita a este indicador.

Durante três décadas prevaleceu na República Popular da China o conceito de "um casal, um filho" e registaram-se milhões de abortos. Muitas mulheres fizeram vários, sempre na esperança de que o próximo feto fosse rapaz.

Citada pelo Diário de Notícias, Lian Fang, ginecologista na China, lembra que apesar de ser proibida a realização de exames para saber qual o sexo dos fetos, muitos médicos têm equipamentos que o permitem e fazem esses exames à margem da lei.A mesma médica explicou que quando um feto é feminino, a norma é abortar.

Este fenómeno de falta de mulheres está já a afetar o Vietname, país vizinho, adiantou a SIC Notícias, estimando as autoridades que cerca de 22 mil mulheres e crianças deste país foram vítimas de tráfico para a China para casamentos, por exemplo.

Apesar de em 2014, o governo chinês ter permitido que os casais em que homem ou mulher sejam único filho, possam ter um segundo filho, para contrariar o envelhecimento da população, essa medida não está a surtir efeitos. Apenas 1 milhão de casais quis avançar para um segundo filho, isto num universo de 11 milhões de casais.

Quanto ao futuro, estima-se que em 2020, dos cidadãos com idades entre os 25 e os 34 anos, haverá uma diferença de 13 milhões a mais de homens. Ou seja, existirá um excedente de homens superior ao número da população portuguesa.

Os melhores vídeos do dia

As políticas de controlo da natalidade têm em vista controlar o crescimento da população e têm sido implementadas por vários governos para responder a fatores como o aumento da pobreza, preocupações ambientais, motivos religiosos e sobrepopulação. É na Ásia que se localizam os países mais populosos. Dos 7 mil milhões de habitantes no mundo, 4 mil milhões estão neste continente. A China e a Índia têm 21 por cento e 17 por cento, respetivamente.