No domingo, dia 1 de Março, de madrugada, uma voz feminina ligou para a PSP da Marinha Grande para dar o alerta de uma agressão, com uma arma branca, a uma mulher que estava caída no chão. Tudo aconteceu nas traseiras do Estádio Municipal da Marinha Grande, distrito de Leiria, pelas 2h30. A mulher, esfaqueada mais de 30 vezes na zona do pescoço e da cabeça, ainda respirava quando chegaram as autoridades mas acabou por falecer no local, tornando infrutíferas as manobras de reanimação feita por um dos agentes da PSP. O local já há muito que é conhecido pela prostituição e pelo tráfico de droga, o que pode indicar que na origem do #Crime estará um ajuste de contas. 

O alegado homicida estava no local do crime, apresentava sinais de embriaguez e tinha manchas de sangue.

O homem, com cerca de 40 anos, foi de imediato detido pelas autoridades mas, devido ao elevado grau de álcool no sangue, não prestou esclarecimentos sobre o crime que, alegadamente, terá cometido.  

Jornalista informa família que Elsa Costa foi morta

Elsa Costa afastou-se da família e deixou aos cuidados da mãe a filha menor, de apenas 10 anos. A irmã mais velha garante, em declarações à TVI,  "que fez de tudo para afastar a Elsa dessa vida" mas em vão. Explicou ainda que uma "série de acontecimentos negativos" fez com que a vítima acabasse por escolher os "piores caminhos". Com o tempo perderam o contacto e já há muito que nada sabiam de Elsa Costa.

Só ao final da tarde de domingo é que chegou a informação da sua morte. Um jornalista deu a notícia à família, que achou estranho e foi de imediato investigar nos jornais online, onde descobriu que a jovem de 31 anos foi morta com mais de 30 facadas.

Vídeos destacados del día

Reclamam pelo facto da PSP não lhes ter comunicado, até ao momento, nem as circunstâncias, nem sequer a morte de Elsa Costa. A revolta tomou conta dos familiares da vítima que, ao saber que o alegado homicida vai ser presente ao juiz esta segunda-feira, juntaram-se em frente ao Tribunal de Leiria pedindo justiça e "mão pesada" para o homem, cuja identidade e ligações à vítima não foram ainda revelados.