Anúncio
Anúncio

Na manhã da passada quarta-feira, dia 1, uma mulher, em Samora Correia, concelho de Benavente, foi detida pela Polícia Judiciária, suspeita de ter espancado até à morte um homem, alegadamente o amante. No momento do Crime, a mulher, 22 anos mais jovem do que a vítima, terá roubado mais de 50 euros da residência. A população de Samora Correia ficou em choque, a 20 de Fevereiro último, quando foi encontrado sem vida um vizinho, de 68 anos. João Henriques vivia sozinho, uma vez que a esposa estava internada num Lar, e foi assassinado no interior da sua residência.

De acordo com a investigação, João Henriques manteria uma relação extraconjugal com a principal suspeita. Os dois terão discutido, o que terá levado ao brutal espancamento. Depois disso, a suspeita pôs-se em fuga, levando, além do dinheiro, alguns objectos de valor.

Anúncio

Em declarações à TVI, os vizinhos não coincidem no que respeita à descrição da vítima. O dono de um café que a vítima frequentava não acredita que João Henriques "tivesse amantes". "Eu nunca pensei que isto pudesse acontecer, ele era uma pessoa sempre simpática, nunca o vi zangar-se com ninguém ou discutir. Ele era uma pessoa activa, mas eu acho que ele não era homem de ter amantes", revelou o proprietário à TVI.

No entanto, uma outra vizinha admitiu que, com alguma frequência, João Henriques perguntava pela alegada suspeita: "Às vezes, passava por mim e perguntava-me 'Viste a Maria grossa?', mas não sei se eles eram amantes. Ele perguntava por ela e até me dizia que gostava muito dela, mas se ela ia lá para casa ou não, isso eu não posso dizer, que nunca vi".

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Sobre a principal suspeita, conhecida entre a população por "Maria grossa", a vizinha revela à TVI que "ela não trabalhava, não fazia nada" e que apesar de desconhecer se foi ela que matou o homem, esse não seria um desfecho que a surpreendesse. "Se calhar viu ali uma fonte", acrescentou, podendo tratar-se de mais um caso de tentativa de extorsão de dinheiro a idosos.

A investigação decorre, agora, com a mulher em prisão preventiva.