Uma companhia de seguros britânica efectuou um estudo que indica que as mulheres são melhores ao volante. O facto de cometerem menos erros e de serem mais cordiais, foram os factores principais para que o sexo feminino fosse apontado como sendo melhor. Os resultados mostraram-se surpreendentes, principalmente para quem defendia que os homens eram melhores ao volante do que as mulheres. As mulheres atingiram 23.6 pontos e os homens apenas 19.8.

A companhia de seguros Privilege Insurance definiu 14 parâmetros de avaliação para o desempenho da condução dos avaliados, sendo que a menor pontuação obtida correspondia a 30 pontos, que estavam directamente associados à menor ocorrência de erros durante o percurso.

O estudo foi realizado na Hyde Park Corner, uma rua no centro de Londres, e incluiu 50 condutores que foram observados enquanto estavam ao volante, e outros 200 observados a conduzir pela movimentada rua onde decorreu o estudo.

O estudo acrescenta ainda que apenas 1% das mulheres pratica uma condução considerada perigosa. Percentualmente, este é um número que corresponde a 14% da população masculina. Este estudo acrescenta ainda que as mulheres são mais educadas e cordiais ao volante. Cerca de 39% das mulheres mostraram estas práticas quando estão ao volante. Após o estudo, verificou-se ainda que 80% dos homens afirmavam ter conduzido a uma velocidade correcta. Contudo sabe-se que apenas 64% dos homens o fez.

Estes resultados acabam por gerar mais pontos para as mulheres no que toca à 'guerra dos sexos', pois até à data apenas 28% das mulheres consideravam conduzir melhor que os homens, sendo o volante um território maioritariamente masculino. Já eles tinham também dificuldade em aceitar que elas poderiam estar a ganhar pontos neste campo.

Os melhores vídeos do dia

Apenas 13% dos homens defendia que as mulheres conduziam melhor do que os homens.

De qualquer forma, uma coisa ficou bem assente neste estudo. Segundo as citações de Charlotte Fielding ao jornal britânico The Independent, é notória a diferença entre aquilo que os homens pensam sobre a sua forma de conduzir e a verdadeira forma como o fazem.