A empresa britânicaIntelligent Environments desenvolveu uma pulseira inovadora denominadaPavlok que tem como objetivo moderar o consumo. Dispara um choque de 255 volts de forma a alertar a pessoa que o seu consumo se está a transformar em consumismo,ou seja, que ultrapassou o valor pré-estipulado na conta bancária.Este estímulo elétrico não deve ser visto como um castigo, mas como umalerta para o consumidor.

A pulseira Pavlok dá um choque elétrico doloroso, massem consequências para a saúde do consumidor no momento em que o mesmo começa a consumir excessivamente.

Para aqueles que não conseguem controlar o consumo, esta pulseira parece ser uma solução ideal e eficaz, ou seja, é uma espécie de lembrete para a pessoa que está consumir em demasia.No entanto, aIntelligent Works espera que a tecnologia seja mais abrangente na hora de poupar e pretende desenvolver um sistema para reduzir gastos, como por exemplo, controlar a temperatura dentroda habitação e diminuir a conta da luz.

Para além disso, o utilizador pode programar a pulseira no combate a maus hábitos, como por exemplo quando não vai ao ginásio, quando dorme demasiado ou quandonão tem cuidado com a alimentação.

A pulseira Pavlok está em contacto com a pele e ligada à conta do banco, para um controlo financeiro mais eficiente.

Para além destas funcionalidades a pulseira apresenta outras, nomeadamente o bloqueio do smartphone quando a utilização é demasiada e o seu desbloqueio apenas é possível após pagar uma coima.

O consumidor pode controlar a carga elétrica e receber um choque mais brando como despertador.

O objetivo da empresa britânica é alertar para o consumoexcessivo, alterar erros consumistas e, consequentemente, controlar o comportamento na hora de comprar, como revelao site PT Jornal.

De acordo com a BBC nenhum banco comunicouestar associado ao produto, porém a empresaIntelligent Environments adiantou-se e publicou uma listagem dos bancos britânicos que aderiram ao produto, segundo o site do Expresso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo