Cohen, a famosa voz grave de "Hallellujah", assinala hoje 80 anos e nunca esteve em tão boa forma. O cantor está prestes a editar mais um álbum, o décimo terceiro, chamado "Popular Problems." Neste álbum, Cohen surge lúcido e enérgico como sempre, abordando temas como o amor, a guerra ou a religião. O tema inclui uma música, A Street, escrita imediatamente após os atentados de 11 de Setembro de 2001, mas só agora publicada, bem como Nevermind, uma música dedicada às vítimas dos conflitos militares, e que inclui uma belíssima voz feminina em árabe. Mas o amor, e a faceta de romântico que tornou Cohen igualmente famoso nos palcos mundiais, está representado em My Oh My, a memória de um amor de curta duração, e Did I Ever Love You, onde a sua famosa voz ganha total protagonismo, com o suave acompanhamento do piano - alternando com um cenário country. 
Cohen esteve ausente das edições e desaparecido dos palcos durante cerca de um década e meia, nos anos 90 e até 2008, tendo dedicado esse tempo da sua vida ao aperfeiçoamento pessoal, em parte com a sua dedicação à filosofia budista. Desde 2008, quando muitos julgavam que Cohen teria abandonado definitivamente a música, o músico canadiano voltou a encher as plateias e com um álbum de 2012, Old Ideas, muito aclamado. 
O cantor define-se, em primeiro lugar, como escritor, uma vez que só se lançou na música aos 33 anos, depois de ter publicado obras de poesia (Let us ComPare Mythologies, em 1956, e Flowers for Hitler, em 1964) e prosa (The Favourite Game, em 1963, e Beautiful Losers, em 1966).
Quase em simultâneo com o novo álbum, foi publicada uma fotobiografia sobre Cohen, autoria de Harvey Kubernik, que traz ao público as várias faces e imagens de marca da sua vida: o poeta, o cantor folk, o quase sex-symbol, o asceta em busca do misticismo, e o velho herói que regressa do seu exílio místico. É um percurso singular e que pode ser sintetizado no comentário de John Simon, o produtor de "Songs of Leonard Cohen", que mencionou "ao contrário dos outros cantores rock com quem trabalhei, que se comportavam como rapazes, Cohen sempre se comportou como um homem."




Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo