Manuel Maria Carrilho, ex-ministro e ex-marido de Bárbara Guimarães, com a qual está envolvido numa amarga polémica judicial e pessoal na sequência de um divórcio muito litigioso, utilizou a página da apresentadora no Facebook para se defender. Na caixa de comentários de uma das fotos de Bárbara, Carrilho deixou um comentário onde, de forma venenosa, relembra que o Ministério Público deduziu acusação contra a ex-mulher por violência doméstica contra ele próprio.

Publicidade
Publicidade

Reforça que as acusações de Bárbara contra ele são "falsas e escabrosas" e diz "aguardar serenamente" que a Justiça e a verdade venham ao de cima. Para garantir a visibilidade do seu comentário, o professor catedrático de Filosofia usou maiúsculas.

Alguns fãs de Bárbara Guimarães não tardaram em responder com insultos ao ex-ministro. "Diabo cheio de ódio" e "chifrudo" foram alguns dos impropérios deixados.

Publicidade

Outro internauta deixou um link intitulado "como identificar um psicopata." Uma associação de defesa pessoal deixou o seu link, apontando que faz workshops dedicados à violência contra mulheres. À hora de publicação deste artigo, Bárbara Guimarães não havia respondido directamente ao comentário. Contudo, o mesmo foi apagado. Em todo o caso, o professor mantém o mesmo comentário na sua própria página.

Este é mais um episódio da guerra entre um dos casais mais mediáticos do nosso país, envolvendo um político e professor catedrático e uma das apresentadoras de TV mais reputadas. O casal tem dois filhos, que são as maiores vítimas de um divórcio amargo, com cenas de exposição pública degradantes. Bárbara Guimarães apresentou queixa contra Carrilho por violência doméstica, tendo conseguido a guarda dos filhos.

As últimas revelações do processo apontam que Carrilho terá ameaçado matar a família e suicidar-se. Noutro dos episódios, Carrilho terá fotografado a mulher durante o banho e ameaçado divulgar as fotos na Internet.

Contudo, Carrilho afirma que se recusa a entregar ou deixar os filhos à mãe sem protecção por temer "ser agredido." Além disso, o ministro apresentou uma contra-queixa contra a apresentadora, acusando-a de violência psicológica e emocional.

Publicidade

Manuel Maria alega que a mudança de fechaduras da casa, que o impediu de entrar durante 3 semanas, constituiu uma violência, sendo que Bárbara alegou ter mudado a fechadura para evitar as agressões do ex-marido. Carrilho acusa também a ex-mulher de hábitos de alcoolismo, e também de irresponsabilidade relativamente aos filhos, nomeadamente levando a filho mais novo para uma discoteca até de madrugada.

Publicidade

Em resultado, ambos os ex-cônjuges irão a julgamento pelo crime de violência doméstica, e ambos ao mesmo tempo como vítima e acusador. De acordo com a advogada Rita Sassetti, citada pelo Ionline, o facto de o crime de violência doméstica ser público impede que a queixa seja retirada. Como tal, só se a outra parte apresentar uma queixa igual é que poderá encontrar circunstâncias atenuantes.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo